Essas técnicas de amor próprio vão levantar sua autoestima

Sentir amor próprio deveria ser algo natural, afinal, é o que nos movimenta, entretanto, exercitar o amor próprio pode ser muito difícil no dia a dia. A primeira dificuldade é uma barreira relacionada ao sistema e a nossa rotina, normalmente somos consumidos pelas tarefas diárias que se sobrepõem ocupando todo o nosso tempo, inclusive tempos que era para dedicarmos a necessidades básicas como o sono.

Por isso, o primeiro passo para desenvolver o amor próprio é criar este momento para pensar sobre si mesmo. Estabelecer este momento pode ser mais complicado do que parece, pois algumas questões precisam ser levadas em conta: você mora com mais pessoas? Como criar um espaço individual? Na rotina de trabalho e doméstica? Dentro da nossa realidade, o que pode ficar para depois? O que é menos importante?

Uma dica é começar escrevendo a sua rotina, pontue horário a horário tudo o que você faz ao longo do dia, assim você conseguirá analisar com clareza quais são as suas obrigações e quais são os possíveis horários que você poderia encaixar um momento para si própria. Ao analisar o seu tempo desta forma, você conseguirá também entender quais são as suas prioridades diárias.

1 – Entenda o amor próprio

O amor próprio é a capacidade que temos de nos aceitar entendendo que temos forças, fraquezas e lacunas. É ter capacidade de transformar e transcender. Amor próprio é o sentimento, a crença e o conceito que se tem de que uma pessoa é um ser valioso, digno e respeitável e, por isso, temos pensamentos e ações de auto cuidado visando o nosso bem-estar geral.

2 – Viaje sozinho

Viajar sozinho é uma das melhores coisas para nos conectarmos com nós mesmos, pois temos a liberdade de fazer exatamente aquilo que estamos com vontade de fazer no momento que queremos fazer. Além disso, as viagens costumam nos colocar diante de situações inusitadas em que precisamos tomar atitudes, como seremos os únicos responsabilizados pelas consequências destas atitudes, encarar nossas escolhas desta forma é muito enriquecedor.

Outro ponto favorável de um mergulho interior durante as viagens são os momentos de contemplação das coisas novas que a vida nos coloca. Seja uma nova praia, uma nova montanha, um novo animal, uma nova arquitetura, se encontrar com essas novidades e contemplá-las também é capaz de acender uma conexão com nós mesmos muito profunda.

3 – Se priorize

Para algumas pessoas se colocar em primeiro lugar é bastante natural e óbvio, mas muitas vezes não enxergamos que em determinadas situações e círculos de relacionamento (amigos, família, estudos etc) acabamos nos colocando por último, elencando as outras pessoas como prioridades em nossas escolhas. Para tentar enxergar melhor estas situações, procure trocar ideia com amigos e familiares que você realmente confia, exponha algumas situações, pergunte as suas opiniões, muitas vezes podemos ouvir pensamentos que podem nos ajudar a clarear nossas ideias.

Se priorizar, ao contrário do que muitos pensam, não é ser egoísta e não tem nenhuma relação com aversão à coletividade. Na verdade, se priorizar é entender que fazemos parte deste coletivo e, portanto, também precisamos estar bem para que este coletivo seja realmente saudável. Portanto, se considerar e buscar suas respostas interiores não é uma oposição ao pensamento coletivo.

4 – Evite comparar-se com os outros

Seja você mesmo. Procure ser você e não imite modelos ou protótipos, que só vão prejudicar o processo de amor-próprio. Seja você, procure encontrar a sua verdadeira personalidade sem que as pressões externas podem as suas perspectivas de vida. Tente pensar que cada pessoa carrega consigo suas forças e também as suas fraquezas, tentar se amar mais também é tentar amar mais o próximo. Quando nos livramos de certos pensamentos e concepções reproduzidas podemos atingir a nossa verdadeira essência para além das regras sociais.

5 – Não dependa do material

Procure não se conectar apenas àquilo que pode comprar ou obter. Ame-se independentemente do seu físico, do seu carro, das suas roupas ou do que você tem e não tem. Sua alma é valiosa, sua atitude e o que você deixa no seu caminho e no dos outros é o que vale.

6- Você não está sozinho

Se você acha que a ausência de amor próprio está afetando a sua vida, procure ajuda, você não está sozinho. Mesmo que você sinta que sua família, amigos e parceiro podem ajudá-lo a trabalhar sua autoestima, muitas vezes isso só é possível com ajuda profissional.

Comentários fechados

Os comentários desse post foram encerrados.